Conheça as principais técnicas de análise genética

Casais nos quais a mulher já se encontra em idade materna avançada podem precisar deste exame. Saiba quais as principais diferenças entre as técnicas.

Há muito tempo a medicina reprodutiva vem estudando a incidência de alterações genéticas e/ou cromossômicas em embriões gerados por mulheres em idade avançada. Isso porque, com o passar do tempo, a qualidade do óvulo reduz e, por consequência, uma gravidez tardia pode trazer um bebê com algum tipo de síndrome, sendo a mais comum, a de Down.
Por isso, a análise genética dos embriões é um teste mais frequentemente solicitado para mulheres que desejam engravidar após os 38 anos.
Existem dois tipos de análise: a cromossômica, também chamada de PGT-A, que avalia se todos os cromossomos do embrião estão normais. Esse exame permite detectar  Síndrome de Down, Síndrome do X-Frágil, Síndrome de Klinefelter, Síndrome de Turner, Síndrome de Patau, entre outras.
Outro tipo de análise é a genética, também conhecida como PGT-M. Essa, por sua vez, consegue identificar mutações gênicas específicas e geralmente é solicitada quando existe algum histórico de doença genéticas que são passadas de pais para filhos, como por exemplo, a fibrose cística, o câncer de mama hereditário e mais de 200 outras doenças genéticas.
Uma vez definido o tipo de análise que necessita ser feito, chega o momento de escolher a técnica que será utilizada. São 3, no total:
– FISH: deve ser realizada no terceiro dia de desenvolvimento embrionário, e permite analisar a presença ou ausência dos cromossomos: X, Y, 13, 16, 18, 21 e 22.
– CGH: tem sido utilizado para analisar os 24 cromossomos em um único procedimento que dura cerca de 24 horas. Nele, é possível identificar possíveis translocações, perdas parciais cromossômicas, além de verificar a presença ou ausência de todos os cromossomos.
– NGS: é a técnica mais atual para estudo dos cromossomos e genes. Ela promove a detecção mais acurada de translocações cromossômicas, o que permite mais precisão no diagnóstico e seleção de embriões saudáveis.
Caso você se esteja tentando engravidar e necessite realizar uma análise genética embrionária, consulte um médico especialista em reprodução humana.

 
Ainda tem duvida? Clique aqui e saiba mais.