As 06 dúvidas mais comuns de quem buscam tratamento de Reprodução Humana

Cada pessoa tem suas dúvidas e preocupações particulares quando entram em uma clínica de reprodução assistida. Na lista abaixo, compilamos as principais perguntas para que os casais fazem quando procuram um tratamento para engravidar.

A gravidez via FIV é garantida?
Não. As técnicas mais avançadas em reprodução assistida não garantes que a gravidez seja completa. A FIV garante a transferência dos melhores embriões para o útero da paciente. Após a transferência a gestação esta sujeita a fatores naturais.

 

Quais as chances de a gravidez acontecer na primeira tentativa?
Muitos fatores influenciam o sucesso de uma FIV. Estima-se que mulheres até 37 anos têm entre 40 e 50% de chance de engravidar na primeira FIV. A partir dos 40, essa probabilidade cai para 20%.

Qual a probabilidade de uma gravidez de gêmeos?
Em um tratamento de reprodução assistida, as chances de acontecer uma gravidez de gêmeos aumenta consideravelmente se comparado com uma gestação natural, podendo chegar a 25% de probabilidade. Isso acontece porque as mulheres que passam pelo procedimento recebem, no mínimo, 2 embriões por FIV, podendo chegar até 4 embriões, sendo que o número varia de acordo com cada caso.

É possível escolher o sexo do bebê?
O Conselho Federal de Medicina só permite a escolha do sexo do bebê caso os pais tenham algum tipo de doença hereditária determinada pelo gênero do casal. Nas demais situações, a prática é proibida.

Qual é a idade máxima para se submeter a um tratamento de reprodução assistida?
Não existe uma idade exata, uma vez que a composição genética de cada mulher pode influenciar na sua capacidade de conceber um filho. Normalmente, recomenda-se que as mulheres não tenham mais do que 45 anos para se submeter ao procedimento, mas existem casos reportados de mulheres que conseguiram engravidar em idade mais avançada. Por isso, é importante consultar uma clínica especializada para avaliar seu caso.

Meu bebê terá problemas genéticos?
Se comparado com a gravidez natural a probabilidade de existir um problema genético diminui, visto que durante o procedimento laboratorial de fecundação são selecionados os melhores óvulos e espermatozóides, segundo critérios morfológicos de cada gameta. Contudo, os problemas genéticos podem ter origens em má formação cromossomica e isto pode ocorrer durante o desenvolvimento do embrião, após implantação.