Fatores masculinos

Causas da infertilidade

Cerca de 40% dos casais com dificuldade para engravidar enfrentam algum tipo de infertilidade masculina. Ao buscar métodos de reprodução assistida, é muito importante que tanto a mulher quanto o homem sejam avaliados para identificar a origem do problema e, assim, enfrentá-lo da maneira focada e eficiente.

A infertilidade masculina é responsável por aproximadamente 40% dos casos de infertilidade conjugal. Quando saudável, a produção de espermatozoides ocorre nos testículos, que passam para o epidídimo e, em seguida, para o ducto deferente, local no qual os espermatozoides amadurecem. Após esse processo, a secreção produzida pela vesícula seminal e pela próstata se junta aos espermatozoides e, finalmente, o sêmen vai para a uretra, de onde é ejaculado.

aparelho reprodutor masculino

 

Este processo natural pode ser afetado por muitas variáveis, entre elas, destacam-se:

  • Varicocele: uma das principais causas de dificuldade na produção de um sêmen de qualidade, esta condição é caracterizada pela dilatação das veias na região escrotal, o que aumenta a temperatura testicular e o acúmulo de substâncias tóxicas nessa região. Essa condição pode diminuir a produção de espermatozoides em alguns homens, causando infertilidade.

varicocele_1

  • Vasectomia: a cirurgia de vasectomia é um procedimento que interrompe o ducto deferente, que é responsável pela passagem dos espermatozoides entre o epidídimo e a uretra, causando a infertilidade.
  • Criptorquidia: alguns homens nascem com os testículos fora da bolsa escrotal e, fora desta bolsa, os testículos sofrem com aumento da temperatura e ação de radicais livres. Se esta condição não for corrigida nos primeiros anos de vida, pode levar a esterelidade.
  • Alterações Hormonais: algumas doenças e medicações de origem hormonal, como anabolizantes, alteram o complexo hormonal masculino, o que afeta a produção adequada do sêmen e resulta na infertilidade.
  • Infecções: processos inflamatórios advindos de infecções prejudicam as células testiculares, responsáveis pela produção do sêmen e isso diminui significativamente a produção de sêmen. Tais infecções também podem causar diminuição da mobilidade dos espermatozoides, outro fator de infertilidade masculina muito recorrente, já que a motilidade é essencial para os espermatozoides alcancem o óvulo e realizem a fertilização. Em situações mais severas, os processos inflamatórios podem obstruir os epidídimos e ductos deferentes, impedindo a liberação dos espermatozoides.
  • Alterações Genéticas: alguns homens nascem com alterações em seus cromossomos que os levam a uma diminuição severa ou ausência na produção de espermatozoides.
  • Fragmentação do DNA Seminal: trata-se de uma condição em que o DNA do sêmen não possui a qualidade necessária para realizar a fertilização. Esta fragmentação pode ser causada pelo acúmulo de radicais livres no espermatozoide e pode ser tratada com medicações antioxidantes.

 

Diagnósticos da Infertilidade Masculina

Existem diversos procedimentos que podem diagnosticar a infertilidade masculina. Os principais são:

  • Espermograma: este exame identifica diversos fatores masculinos, entre eles a oligospermia (baixa produção de espermatozoides), azoospermia (ausência de espermatozoides), astenoszoospermia (baixa motilidade dos espermatozoides), teratozoospermia (alteração morfológica dos espermatozoides) e a ocorrência de infecções seminais.
  • Ultrassom dos testículos: exame utilizado principalmente para o diagnóstico de varicocele, pois permite observar as veias da região escrotal.
  • Análise genética: um exame obrigatório para homens com oligospermia grave (menos de 5 milhões de espermatozóides por ml de sêmen) ou azoospermia. Nele, são realizados exames de sangue cariótipo com banda G e microdeleção do cromossomo Y.

 

Tratamento para a infertilidade masculina

Caso o homem seja diagnosticado com azoospermia (ausência de espermatozoides no sêmen ejaculado), esses podem ser obtidos através de técnicas de reprodução assistida, como a Aspiração Microcirúrgica de Espermatozoide do Epidídimo (MESA), a Aspiração Percutânea de Espermatozoide do Epididímo (PESA), a Aspiração de Espermatozoides Testiculares (TESA) ou a Extração Testicular de Espermatozoides (TESE).

Para saber mais sobre estes procedimentos, confira nosso artigo sobre Obtenção de Espermatozoides.

 

Ainda tem alguma dúvida? Clique aqui e fale com a gente.
Gostou desse conteúdo? Clique aqui e curta nossa página no Facebook para acompanhar nosso conteúdo informativo.

 

Nota: por se tratar de fatores biológicos, físicos e individuais de cada paciente, a realização do tratamento não é garantia de gravidez.

 
Ainda tem duvida? Clique aqui e saiba mais.

Artigos Relacionados

iStock_000023047524Small
Fiz vasectomia. Posso ter filho?

Sim, é possivel engravidar mesmo tendo feito vasectomia. Para isso existem algumas possibilidades. Saiba quais são.

saiba mais +
fiv-fertilizacao-invitro
Fertilização “in vitro”

Atualmente a fertilização “in vitro” é o principal tratamento realizado nas clinicas de reprodução humana.

saiba mais +